Alezzia Deitada no Deck de Madeira Pensando sobre a CLT do Povo

A NOVA CLT – A CLT DO POVO

Esse é o resumo do que a Alezzia captou que o povo deseja para a sua nova Consolidação das Leis do Trabalho :

 

PRIMEIROS SEIS MESES DE TRABALHO

  1.  O funcionário e a empresa acordariam entre si os principais pontos (salário, expediente, aviso prévio, etc.) e preencheriam um formulário padrão do governo baixado da internet.
  2. O funcionário vai ao cartório ou empresa certificadora e reconhece firma desse contrato bem como o representante da empresa
  3. O funcionário vai ao sindicato do trabalhador com uma taxa de 25 reais paga pela empresa. Caso o sindicato esteja de acordo com o contrato a empresa paga mais R$50,00 e o sindicato certifica a documentação. O objetivo é garantir que o trabalhador estava consciente do acordo e este foi legítimo.
  4. Nos primeiros seis meses o aviso prévio para ambos os lados seria por padrão de 10 dias. Mais ou menos do que isso cabe as partes negociar. Isso regularizaria aqueles trabalhos freelance de promotores, modelos e pessoal temporário no geral.
  5. O campo do 13 salário fica desmarcado por padrão, ou seja, inexistente. Cabe as partes negociar se desejam incluir esse valor.
  6.  Faltas médicas com atestado seriam abonadas no máximo três. Mais do que isso caberia as partes negociar. Hoje a CLT incentiva ao trabalhador faltar por atestado, pois, ele recebe 100% do dia ausente. Só quem perde e a empresa e os clientes ao final da linha.
  7. Em caso de acidente no trabalho a empresa paga os 15 dias até a entrada do trabalhador no INSS. Em caso se acidente no trajeto de casa para o trabalho e vice versa. a responsabilidade é do Estado. A empresa poderá fazer um seguro para ser ressarcida desses 15 dias.
  8. Sem férias nos primeiros seis meses, cabendo as partes negociar se desejam colocar alguma.
  9.  Se for uma atividade de risco como indústrias, motoboys, etc o empregador se obriga a fazer um seguro de vida que poderá ser coletivo e pague 100 salários mínimos em caso de morte ou invalidez. O EPI também teria que ser fornecido pelo empregador.
  10.  Esse acordo não vale para atividades consideras de alta periculosidade como mergulhadores de profundidade e minas de carvão, essas continuariam em um primeiro momento na velha CLT.
  11. Em caso de gravidez seria recomendado que continuasse a atual legislação, mas, os dois estarão livres para negociar algum outro acordo. Se nada for incluído, vale o que está na antiga CLT.
  12. O máximo de horas que um acordo pode contemplar sem horas extras são 50 horas por semana. A partir daí passa a ser considerado hora extra
  13. Por padrão todas as horas extras independente dos dias serão 50%. Mais do que isso cabe as partes negociar. O mínimo aceitável para uma hora extra será de 25%
  14. Todos os contratos por padrão vão funcionar no regime de banco de horas com compensação de um para um, independente de o dia ser um feriado, sábado ou domingo
  15. O limite de trabalho em um mês será de 240 horas, não podendo ser repetida essa carga além de três meses. Caso esses três meses seguidos aconteçam a empresa se obriga oferecer férias remuneradas de 15 dias ao trabalhador com adicional de 1/3 sobre o salário, sem detrimento das férias normais, para compensar os três meses de dedicação intensiva
  16. No caso de feriados a empresa estará obrigada a pagar somente pelos feriados em caráter nacional. Em caso de feriados estaduais e municipais o trabalhador pode ficar em casa, todavia, sem recebimento. Caberá ao trabalhador e a empresa decidirem se querem operar nesse dia ou permanecerem inativos.
  17. Para os contratos a empresa poderá a seu critério contratar os serviços de uma empresa certificadora digital para escanear os documentos e se responsabilizar por eles. Os recibos de pagamento serão os comprovantes de DOC, TEC ou cheque microfilmado. Não poderá haver pagamento em dinheiro. Com isso o empreendedor não precisará mais guardar nenhum documento. Até o recibo de férias poderá ser digitalizado e arquivado pela certificadora com o mesmo valor legal do documento físico.
  18. Para profissionais com nível superior, terceiro grau, qualquer negociação individual terá mais valor que os acordos coletivos e os da CLT. O profissional estará livre para por exemplo exercer sua profissão com um salário abaixo do piso. Hoje quase todos os engenheiros do Brasil não podem exercer legalmente suas profissões, pois, o piso é absurdo e fora da realidade. Isso liberaria os jovens e as empresas para contratar com segurança os profissionais necessários, ou seja, o que o profissional de nível superior acordar passa a ficar valendo
  19. Caso a empresa tenha alguma regra específica, como a tempo de uso de banheiro, essa deve estar incluída previamente no acordo. Qualquer alteração do que for acordado previamente terá que ser feita de por ambos os lados.
  20. Sobre o valor do salário pago mensalmente a empresa recolherá como imposto sobre a folha a taxa de 3% para o governo federal e 1% para o município onde ela estiver localizada – guias separadas. Esse valor fica 100% a encargo do contratante.
  21. Sobre o valor do salário o funcionário paga a prefeitura da sua cidade 2% do total para ser usado exclusivamente em educação de base, valor recolhido pelo empregador. (Atualizado 29-01-2017 as 14hs40min)

 

APÓS SEIS MESES DE TRABALHO

Após seis meses de trabalho se considera que o funcionário foi aprovado e ele passa a fazer parte do quadro definitivo da empresa, para isso é preciso fazer um novo contrato, sendo que teremos as seguintes alterações

  1. As férias anuais remuneradas passariam a ser de no mínimo 20 dias por ano.
  2. As férias podem ser integralmente vendidas pelo trabalhador ao seu critério
  3. Em caso de venda de férias a recomendação seria que fosse pago 50% de adicional por hora de férias. O mínimo a ser pago seria o dia normal.
  4. As férias remuneradas seriam com o valor da hora normal. Em caso de 1/3 adicional esse precisa ser negociado com antecedência.
  5. Vale o aviso prévio de 30 dias para ambas as partes e o tempo de aviso irá subindo da mesma forma que na CLT em vigor
  6. Fica valendo o “acordo” onde ambas as partes podem negociar e abrir mão do aviso prévio se estiverem em acordo.

 

CARÊNCIA SOBRE TREINAMENTOS EXTERNOS

Em caso de treinamentos externos, oferecidos por terceiros, a empresa e o trabalhador poderão chegar a um acordo de carência que não poderá ser maior do que o triplo do valor investido no curso. Ou seja… Se o curso custou 1000 reais e o trabalhador recebe 1.000 reais ele terá que ficar ao menos mais três meses na empresa. Essa carência é exercida somente em caso de o trabalhador se desligar unilateralmente da empresa.

Alezzia segurando a bandeira do Brasil em frente ao mar

SEGURANÇA JURÍDICA

  1. Anualmente a empresa poderá a seu critério pagar uma taxa de 10% do salário mínimo e enviar os recibos e toda a documentação para o sindicato do trabalhador homologar a regularidade do contrato.
  2. O trabalhador também deverá enviar uma carta de próprio punho assinada e autenticada em cartório dizendo que se encontra satisfeito com toda a negociação com a empresa
  3. A seu critério o Sindicato poderá convidar o trabalhador para visitá-lo e conferir as informações.
  4. Caso o sindicato homologue esse acordo anual a empresa terá 30 dias para pagar mais uma taxa referente a 50% do salário mínimo e retirar um nada consta que poderá ser enviado a certificadora para arquivamente.
  5. Esse nada consta automaticamente impedirá qualquer ação trabalhista pregressa, não tendo mais a justiça do trabalho qualquer influência sobre esse passado, apenas dai por diante
  6. Caso o sindicato veja alguma irregularidade ele comunica a empresa e essa terá 30 dias para corrigir a situação. Caso passe desse prazo a empresa pagará outra taxa de 10% para uma nova consultoria

 

ACORDOS DE DISSÍDIO – EQUIPARAÇÃO SALARIAL

  1. As negociações entre os sindicatos patronais e dos trabalhadores continuarão normalmente
  2. Os aumentos serão recomendados e não mais por força de lei como é hoje. Com isso os bons trabalhadores poderão receber acima do dissídio, e os que se encostam poderão ficar sem aumento nenhum. Hoje a regra e que todos estão nivelados pela média sem muita margem para os melhores crescerem devido as amarras da equiparação salarial onde as mesmas funções devem receber o mesmo salário.
  3. Fim da equiparação salarial, cada trabalhador vai negociar individualmente o seu salário de acordo com o seu valor para si e para a empresa

 

CONTRATAÇÃO E DEMISSÃO

(atualizado em 23 de fevereiro de 2017)

  1. A empresa particular é soberana para contratar o candidato que desejar independente dos critérios utilizados, sejam eles físicos, intelectuais ou de qualquer outra natureza. A empresa é uma entidade privada e deve ser vista como uma casa particular, onde o seu dono possui todo o direito de escolher quem pode ou não trabalhar nela.
  2. Anúncios de emprego de empresas particulares poderão a critério da mesma especificar o tipo de pessoa que deseja para determinada vaga incluindo características físicas, de gênero, idade bem como demais orientações ideológicas.
  3. A demissão é um direito da empresa e ela pode exerce-lo a seu critério, sem a necessidade de justificativa ao trabalhador. A única obrigação é pagar as verbas rescisórias devidas.

 

 

 

Veja também nossas outras propostas para a melhoria do país

 

 

Alezzia
[email protected]

Indústria de móveis de aço inox com sede no Rio de Janeiro

27 Comentários
  • JCarlos Ferreira França
    Postado em 12:44h, 02 fevereiro

    essa proposta de reforma da CLT é um completo ABSURDO, concordo que a CLT tem que ser reformada, mas proposta é um ABSURDO

  • Everton Imata
    Postado em 16:47h, 02 fevereiro

    Vi um monte de bobagem, mas a maior de todas está no número 18. “O profissional estará livre para por exemplo exercer sua profissão com um salário abaixo do piso. Hoje quase todos os engenheiros do Brasil não podem exercer legalmente suas profissões, pois, o piso é absurdo e fora da realidade.” O que vocês entendem do mercado de engenharia? Engenharia Civil para ser mais específico.

    O piso realmente é um absurdo e fora da realidade pela responsabilidade que um Engenheiro Civil carrega. Para ser simplório a um ponto que qualquer leigo entenda, explico com uma comparação simples: um médico que erra, mata uma pessoa.. Um engenheiro que erra, mata várias. Vocês têm idéia de quantos anos um engenheiro é responsável pelas obras que projeta, assina e executa?

    50 anos.

    Fui a favor da campanha contra as mimizentas, mas acho que vocês devem baixar a bola e não falar bobagens.

  • Fernando Moulin
    Postado em 03:33h, 09 fevereiro

    Como ex-sindicalista fundador de 2 sindicatos e coparticipante da restauração de muitos outros, acho a proposta bem razoável e factível. Um bom começo. Parabéns pela coragem de abordar um tema tão espinhoso, mas este é o caminho.
    Arrisque-se! Toda vida é um risco. O homem que vai mais longe é geralmente aquele que está disposto a fazer e a ousar. O barco da segurança nunca vai muito além da margem.

  • Fernando Moulin
    Postado em 03:36h, 09 fevereiro

    P.S. : Para os que se arvoram a fazer criticas, sem nem mesmo conhecer o que significa gerir uma empresa nem conhecem do que é gerir relações trabalhistas sob a ótica sindical e de classe não liga não, são apenas diletantes exercendo o seu livre direito de espernear. Contem comigo se precisarem.

  • Hellen Silva
    Postado em 13:49h, 09 fevereiro

    Essa proposta é ABSURDA. Não existe ACORDO entre empregado e empregador. Colocar a empresa e o funcionário em um patamar de igualdade é ABSURDO e mais absurdo ainda é acreditar que vá existir um acordo que não prejudique demasiadamente os trabalhadores.

  • Rubens Vital
    Postado em 21:53h, 09 fevereiro

    Pessoalmente achei interessante.
    O pessoal que está reclamando, porque não fazem suas propostas então?

  • Rafael Matias
    Postado em 05:41h, 10 fevereiro

    Sou leigo no assunto mas aparentemente parecer haver coerência nessa proposta apesar de eu não concordar com tudo. Ótimo trabalho. Somente inovando é que vamos conseguir tirar o Brasil do fundo do poço. 😉

  • Fabiiano Mota Corleone
    Postado em 07:19h, 10 fevereiro

    Acho que nem deveria usar CLT, somente um contrato com termos e quem quiser assinasse.

  • Elton Pamplona
    Postado em 03:03h, 11 fevereiro

    Com certeza uma ótima ideia!!Países de primeiro mundo já trabalham assim,e quem reclamou são os velhos brasileiros acostumados a lei de Gerson,estão preocupados com seu rendimentos em detrimento do todo,ninguém quer abrir mão de nada,preferem o protecionismo,de uma lei que mais lesa todo que beneficia,mantendo a maioria dos trabalhadores,com salario ridículo,enquanto uma minoria se mantém com salários absurdos,e sustenta seu argumentos com falacias acerca da complexidade de sua profissão,de que o empregado estaria em posição vulnerável,em relação ao patrão,e os doutrinados ideologicamente,pelo marxismo, não conseguem ver, que quanto maior a flexibilidade,a possibilidade seria maior e melhor,rendimentos bem superiores,aumentariam as vagas e as oportunidades para muitos.Pena a maioria estar enfeitiçada, pelo conto de fadas,onde: o empresario é o vilão,os trabalhadores as vitimas indefesas, e o Governo através de suas pesadas Leis, o herói que protege as vitimas de seu algoz!!!!

  • Istael Cruz Barbosa
    Postado em 17:11h, 11 fevereiro

    Não concordo com alguns itens. Engenheiro civil é sub valorizado em relação a sua responsabilidade (civil, criminal, técnica e ambiental), outras coisas pode ser mais maleáveis. De resto achei bem interessante a proposta.

  • Douglas cordeiro
    Postado em 23:53h, 11 fevereiro

    Muito estranho alguns pontos. Mas para mim eu defendo a completa desregulamentação do trabalho. O trabalho deve ser livre e não devem mais existir patrões e empregados e sim contratantes e prestadores de serviço.

  • Ari Toledo
    Postado em 11:10h, 12 fevereiro

    deveria eh acabar com a CLT ai sim . Que cada um cuide do que eh seu …. e se valorize da maneira que achar …

  • Augusto Macieira
    Postado em 20:23h, 12 fevereiro

    Precisa conhecer melhor o trabalho de um engenheiro e suas resposanilidades,
    Esse ponto 18 e uma loucura
    Absurda. Nao representam os ansejos da classe.
    Melhore essas ideias

  • Ricardo Guilemond
    Postado em 22:36h, 12 fevereiro

    Acho a proposta muito interessante e é muito próxima daquelas adotadas nos países desenvolvidos. Nos Estados Unidos por exemplo, não existe nada parecido com o FGTS brasileiro, o mais próximo seria alguma coisa como títulos de capitalização. Não sei quanto a parte dos engenheiros mas conheço alguns que nunca sequer conseguiram exercer a profissão por falta de oportunidade, no máximo são assistentes de alguma coisa.

    Eu, particularmente, detesto os sindicatos, e sempre achei como nos países desenvolvidos que o trabalhador deveria mesmo era negociar direto com a empresa. Já teríamos o Ministério do Trabalho a nosso favor, e este com certeza não dá mole para as empresas, sei como funciona, já fui empresário e mesmo estando a empresa correta os processos são muito mais favoráveis ao empregado mesmo ele estando errado ou quase todo errado.

    Se a dispensa do 13º salário for favorável pela troca de outros abonos como 20 dias de férias extras anuais ou adicionais de descanso espalhados no ano ou incorporação do mesmo ao salário pode ser uma boa. O que eu não concordo é que o 13º seja extinto somente para o trabalhador, quando toda a rede pública e governantes recebem 13º, 14º e até 15º salários pagos de nossos impostos, então nosso 13º salário ajudaria nisso. No fim toda proposta de mudança sobre os contratos de trabalhos precisam ser também ajustados de acordo com muitas coisas que o governo nos obriga a pagar muito alto, como por exemplo, os altos impostos de IPVA e IPTU. Se é para acordar, eu trocaria facilmente o 13º salário por estabilidade de 5 anos na empresa.

  • Patrik
    Postado em 23:21h, 12 fevereiro

    Realmente está muito próxima a de um país desenvolvido, porém, o Brasil é subdesenvolvido, que tal se preocupar com a saúde primeiro, que tal baixar os impostos, que os salários baixos não acompanham a inflação, pode apresentar o número que for, mas todo mês o carrinho vem mais vazio do mercado. Sou a favor de uma reforma, mas antes o terreno que dar condições para isso, ao meu ver esse novo contrato beneficia muito mais os empregadores e são esses que mais lucram em cima do trabalhador, que tal antes disso pensar em fiscalizar e acabar com o trabalho escravo e infantil que é realidade no Brasil. Tendo esse monte de regras que existem hoje o empregador normalmente não cumpre com metade delas.

  • Diogo Villela Barboza
    Postado em 13:05h, 13 fevereiro

    Que essa marca é capitaneada por algum, ou alguns, mentecaptos é perceptível pela forma como se promove. Que os canalhas andam aderindo ao discurso fácil utilizado de falácias grosseiras, que tentam a todo custo deslegitimar a conquista de direitos previstos nos principais documentos internacionais de proteção ao homem e na Constituição, isso tb é fato. Li rapidamente esse arremedo de CLT a partir da visão do empresário e posso AFIRMAR, na qualidade de advogado e interessado na sociedade, que não passa de um panfleto barato que visa reduzir direitos trabalhistas em benefício do lucro. Os empregados que concordam com esse tipo de sandice o fazem pela fragilidade, pela falta de informação e educação. Sim, são extremamente frágeis, bem como a maioria dos lunáticos que aderem a causa de ‘lutar’ contra o politicamente correto. O politicamente correto que encaretou o Brasil, segundo mentecaptos dizem, trouxe do submundo pessoas que antes eram galhofa na boca da maioria e sequer tinham como demonstrar sua insatisfação. Gente que sofria calada as humilhações na forma de piada. Gente que está tendo a oportunidade de fazer valer seus direitos e sua posição no mundo frente aos canalhas!
    Canalhas como os que dirigem essa marca cujos móveis são bregas, as propagandas fomentam o sexismo padrão no Brasil colonizado e patriarcal, que ao invés de ter como missão valores sociais relevantes preferem fomentar os egoístas e desabonados cujo padrão humano se identifica com infelizes como Bolsonaro. Triste!
    Ah, se comparar com a Benetton deveria render-lhes um processo! No máximo vcs podem se comprar com Ponto Frio, Casas Bahia…

  • Douglas
    Postado em 13:06h, 13 fevereiro

    À hellen Silva:
    Existe acordo sim.

    Não quer assinar, não assine.

    Aprenda a ler, veja a parte da certificação sindical. Asinina.

  • Diogo Villela Barboza
    Postado em 13:36h, 13 fevereiro

    Um complemento: a suposta CLT do Povo foi feita por um empresário, com a alma do empresário, com a cabeça do empresário. Empresário do Brasil ou dos EUA são iguais. Pensem se realmente o patrão e o empregado estão no mesmo barco. Pensem nisso na hora em que vc, empregado, recebe umas migalhas para fazer valer todo o art. 6º da Constituição e eles recebem uma bolada, além da sonegação fiscal que onera a classe media sobremaneira. Pense bem se um patrão realmente vai propor regulação e garantia de direitos sem pensar nele na frente. Pense bem que se sua vida é ruim como empregado ‘azulzinha’ imagina sem ela. Essa suposta e falaciosa virada neoliberal, uma canalhice de marca maior, é o último suspiro do já falecido capitalismo. Desde 2008 quando o mundo quebrou por culpa dos bancos e coisa anda feia e eles culpam o Estado Social, culpam a proteção dos mais fracos, pelo insucesso. São canalhas! Basta uma consulta rápida pela internet a comprovar o que sustento aqui.
    Vivemos num país escravagista e a CLT é uma afronta pra essa turma que ainda carrega esse estigma. Andaram muitos anos escondidos sob as sombras mas agora diante do Golpe Parlamentar que vivemos resolveram botar as asas de foram… um bom raio de sol, o melhor detergente que existe, faz essa gentalha voltar pro seu calabouço. EMPRESÁRIO NÃO GOSTA DE EMPREGADO!
    A ordem é antiga e não compreendida, mas precisa ser posta em prática: “TRABALHADORES DO MUNDO, UNIVO-NOS!”. O Manifesto do Partido Comunista com a ordem do maior economista da história é atual e necessita viver.
    Essa Alezzia, uma pobre infeliz amargurada, vê na ganância uma forma de ser aceita, uma forma de deixar sua marca num mundo onde a descrição é a máxima dos maiores empresários do mundo. Não desses emergentes como João Dória e outros… esses são bobões atrás de confete. São a ralé.
    Trabalhadores do mundo, Univo-nos!, K. Marx e F. Engels.

  • Hugo Mattos
    Postado em 09:59h, 14 fevereiro

    “Esse é o resumo do que a Alezzia captou”. Qual a dificuldade de ler essa parte? Será possível que a empresa vai ter que colocar uma porca com cara de rola e uma galinha peruona nessa frase pra criançada ler?

  • Matheus Lago
    Postado em 16:24h, 14 fevereiro

    Gostei!!
    Ainda não é perfeita mas seria uma modernização revolucionária para o mercado de trabalho.

    Iria cobtribuir para que haja mais contratações, maior transparencia e equiparação de forças.

    Parabens pela iniciativa e ideia!!

  • Daniel
    Postado em 08:16h, 15 fevereiro

    Isso é uma das coisas mais insanas que já vi. Só privilegia a empresa e o empresário, que reforma é essa que vocês dizem “do povo”? Sorte que uma retardice dessa não passa nunca.

  • Jovenil Viana
    Postado em 10:08h, 15 fevereiro

    Para quem acha um ABSURDO, apresente outras SUGESTÕES. O combinado não é caro, simples assim. Mas como sempre, é mais fácil apenas criticar e não apresentar nenhuma sugestão.

  • Luan Augusto
    Postado em 14:40h, 15 fevereiro

    O que o pessoal não entende é que:

    – Com uma CLT enxuta os 11% de INSS (Descontados) e os 8,5% de FGTS estariam no salario mensa caindo no bolso do trabalhadorl
    – Com uma CLT enxuta os aproximadamente 80% de Leis Sociais entrariam diretamente no Bolso do Trabalhador

    Atualmente um trabalhador que é registrado com R$1000,00 mensais recebe $890,00 e tem custo aproximado de R$1.800,00 para o Empresario.
    Com uma CLT enxuta o trabalhador poderia receber R$1.620,00 já descontados os 2% de impostos municipais e o Empresario teria o mesmo custo de R$1.800,00

    Quem tem a ganhar é o trabalhador

    Vejam no exemplo:

    CLT Atual – R$890,00 x 12 meses = R$10.680,00 + R$1.250,00 de Ferias + R$920 de 13º = Total R$12.850,00 (perceba que o custo aproximado do Empresario foi de R$21.600/ano e o governo ficou com uma boa fatia dos seus ganhos que foi aproximadamente R$8.750,00)

    CLT Enxuta – R$1620,00 x 12 meses = R$19.440,00 (Perceba que o custo aproximado para o Empresario permanece o mesmo R$21.600/ano e que apenas o governo deixou de abocanhar boa parte dos seus rendimentos R$2.160,00)

    Eu prefiro a CLT enxuta, mas claro que tudo tem de ser conversado e acordado

  • Everson Minarini
    Postado em 22:52h, 28 fevereiro

    Propostas como estas causam admiração pela coragem em expor para um povo com senso deturpado e contaminado por tantos parasitas das espécies comunistas ou socialistas, onde qualquer nova perspectiva de uma relação trabalhista que proponha transparência, boa-fé, equidade ou qualquer princípio de eticidade, causa furor. Geralmente os indivíduos de baixa auto estima não sentem confiança na sua própria capacidade produtiva e não se veem capazes de alcançar melhores condições do que aquelas proporcionadas por regimes totalitários ou absolutistas. Mesmo impulsionados para transformações progressistas, preferem a comoda vida dependente de esmolas sociais criadas pelos oportunistas populistas. São mantidos com “pão e circo” e quando seus verdadeiros opressores e exploradores – seus líderes – são confrontados com idéias ameaçadoras ao seu estado de domínio, reagem ferozmente com palavras de ódio e incitação a famigerada “luta de classes”. Líderes estes que defendem a perpetuação desta “luta” como forma de manter arregimentado e subjugado, um exército de pessoas alienadas e submissas aos seus propósitos escusos da verdadeira expropriação. Infelizmente, num Estado democrático, quando o analfabetismo intelectual e moral tem proporção significativa na população, propostas como estas ainda pertencerão somente aos visionários e empreendedores. Sair da “caixa” do comodismo e encarar desafios de crescimento, ainda são poucos os dispostos. Por isso, um País como o nosso, com tanto por fazer, tanto por produzir, tanto por construir, com tamanha riqueza natural e gigantismo de fronteiras, ocupa as piores posições mundiais, seja em índice de desenvolvimento humano (IDH), seja em educação, inovação, tecnologia, produção, exportação, etc. Até quando estaremos presos e engessados a este nivelamento tacanho? Quando haverá liberdade para o setor produtivo e gerador de riquezas premiar e valorizar os mais esforçados? Até quando carregaremos “nas costas” e no bolso os parasitas marxistas?

  • Javier Gabriel Alves Silva
    Postado em 18:40h, 14 abril

    Sem dúvidas é uma excelente proposta, um enorme passo para a evolução brasileira. É motivo de orgulho ver uma empresa privada apontando o dedo na cara de sindicalistas, socialistas e vagabundos e propondo uma CLT moral como essa. Propostas como essa me deixam otimista quanto ao futuro. Quanto as críticas dos idiotas úteis que insistem em ser esmagados pela CLT ridícula de origem fascista atual, eu peço que busquem ao menos se informar melhor e parar de vomitar marxismos e outras palhaçadas pela internet.

  • Letícia Cunha Fernandes
    Postado em 16:25h, 19 abril

    Achei ótimo a foto da mulher caído no chão pra ilustrar o tanto de absurdos. Sério? CLT do Povo? Ainda são sarcásticos! aff

  • Tiago
    Postado em 15:54h, 20 abril

    Proposta absurda e sem sentido! So piora pro povo!

Enviar Comentário